2
IMDb Redesign JP Teixeira

IMDb Redesign2

JP Teixeira

O único motivo que eu fiz o protótipo do IMDB chama-se "Exercício". Acho fundamental um designer exercitar continuamente, buscar melhorar seus pontos fracos, testar novas opções, enxergar o design digital de uma maneira mais ampla, sem interferência de superiores, clientes, stakeholders, deadline.

Breve Apresentação

Falar sobre a gente é sempre complicado, não consigo ter uma definição sobre mim. Não há atividade mais difícil de descrever do que o Design. Eu gosto muito de dizer que sou um Designer, na terminologia pura e simples. Hoje em dia é comum encontrar na nossa área CEO’s, Directors, Managers, CCO’s, Chief Creative Director e afins, títulos ambíguos e que não refletem a real atividade do profissional. Numa apresentação breve, diria: JP Teixeira, 30 anos, Designer.

Com certeza, seu redesign é bem melhor que a versão atual. Mas não estou falando apenas do redesign em si, estou falando sobre o conceito “rethinking”, como você mesmo entitula. O que exatamente você pesquisou para criar esse projeto?

O único motivo que eu fiz o protótipo do IMDB chama-se “Exercício”. Acho fundamental um designer exercitar continuamente, buscar melhorar seus pontos fracos, testar novas opções, enxergar o design digital de uma maneira mais ampla, sem interferência de superiores, clientes, stakeholders, deadline. Responder estas perguntas: que você consegue fazer sem limitação alguma? Até aonde você consegue chegar? O que te impede de entregar o máximo?

No caso do Webflow, o exercício é ter uma visão mais abrangente da interface fora do Photoshop. Todo designer gosta de dizer que pensa “fora da caixa” mas não consegue visualizar um trabalho fora da sua principal ferramenta de criação, no caso o Photoshop.

A experiência é algo que não pode ser desenhada, mas podemos prever situações as quais o usuário terá contato e proporcionar a mesma boa sensação estética por meio das interações.

Esteticamente falando, seu projeto é bem alinhado. O uso elegante de tipografia, imagens, cores, grid e composição em geral é de certa forma elegante. Porque você considera esse projeto não aplicável na vida real? E que problemas usuários trandicionais poderiam ter com seu projeto, caso fosse implementado?

O portal IMDb tem um conteúdo muito extenso e diversas formas de uso. Seria muita irresponsabilidade na questão funcional de um portal, sobrecarregar o usuário com a interface desta maneira que eu propus. O tempo de carregamento das imagens, o uso exagerado de animações e a falta de critério pra organizar o conteúdo foram os principais pontos abordados pela comunidade nos diversos fóruns que eu publiquei o trabalho. A idéia de qualquer protótipo é justamente exagerar nos extremos e encontrar o meio termo que pode ser aplicável em situações reais.

Você ainda criou um protótipo utilizando o Webflow. Essa ferramenta vem ganhando adeptos nos últimos meses, e parece que vai vingar para usuários mais leigos em programação front-end. O que você diz sobre o desempenho da ferramenta?

Eu acho estas ferramentas de criação real-time sensacionais. Eu nunca fui um expert em códigos HTML/CSS, mas sempre fui curioso em saber como funciona a parte de codificação de um layout. O processo padrão PSD – HTML já está defasado. O que me incomoda é a falta de atenção aos detalhes que alguns desenvolvedores possuem. Ferramentas como Webflow e Macaw são ótimas pra refinar um projeto, apresentar um mockup ao cliente ou testar alternativas de interação de um layout estático. Mas no final, são apenas ferramentas para auxiliar o designer. Acredito que não irão substituir o trabalho de ninguém.

Esteticamente falando, seu projeto é bem alinhado. O uso elegante de tipografia, imagens, cores, grid e composição em geral é de certa forma elegante. Porque você considera esse projeto não aplicável na vida real? E que problemas usuários trandicionais poderiam ter com seu projeto, caso fosse implementado?

O portal IMDb tem um conteúdo muito extenso e diversas formas de uso. Seria muita irresponsabilidade na questão funcional de um portal, sobrecarregar o usuário com a interface desta maneira que eu propus. O tempo de carregamento das imagens, o uso exagerado de animações e a falta de critério pra organizar o conteúdo foram os principais pontos abordados pela comunidade nos diversos fóruns que eu publiquei o trabalho. A idéia de qualquer protótipo é justamente exagerar nos extremos e encontrar o meio termo que pode ser aplicável em situações reais. Lembro de um conselho de um grande designer que eu trabalhei:

Você ainda criou um protótipo utilizando o Webflow. Essa ferramenta vem ganhando adeptos nos últimos meses, e parece que vai vingar para usuários mais leigos em programação front-end. O que você diz sobre o desempenho da ferramenta?

Eu acho estas ferramentas de criação real-time sensacionais. Eu nunca fui um expert em códigos HTML/CSS, mas sempre fui curioso em saber como funciona a parte de codificação de um layout. O processo padrão PSD – HTML já está defasado. O que me incomoda é a falta de atenção aos detalhes que alguns desenvolvedores possuem. Ferramentas como Webflow e Macaw são ótimas pra refinar um projeto, apresentar um mockup ao cliente ou testar alternativas de interação de um layout estático. Mas no final, são apenas ferramentas para auxiliar o designer. Acredito que não irão substituir o trabalho de ninguém.

Depois de tornar o experimento público, como está sendo receber tantos feedbacks bons da comunidade no Behance, e ainda receber destaque na curadoria em menos de um mês?

Não existe tribunal mais rígido do que a internet. Tudo que você publica está sujeito a julgamento instantâneo. Pra quem trabalha com atividade subjetiva como o design, o julgamento é ainda mais extremo.

Recebi alguns emails dos CEO’s do Webflow parabenizando pelo projeto. Vários blogs gringos entraram em contato. A aceitação no exterior foi muito bacana. Porém, em alguns fóruns de UX o projeto foi totalmente difamado por questões técnicas. O pessoal não abstraiu a ideia de que era apenas um protótipo pra mostrar potencial estético.

Mas no geral, tive feedback muito mais positivo do que negativo. Infelizmente, em comunidades brasileiras de design, o feedback não foi tão bom, mas isso é totalmente irrelevante pra mim.

Você obteve algum retorno do time do IMDb sobre esse experimento?

Não. Mas fiquei receoso quanto ao uso da marca, conteúdo e imagens. Espero quve ninguém tenha ficado zangado por lá.

Onde os leitores podem te encontrar e seguir o seu trabalho?

Quem quiser me acompanhar pode ficar de olho no Behance, Dribbble ou Twitter (links abaixo). Tenho um monte de projetos legais que pretendo compartilhar com o galera em breve. Por questões contratuais nas agencias que eu passei, não puder compartilhar muita coisa nos últimos anos. Agora espero ter mais contato com a comunidade de design digital e contribuir pro avanço da atividade.